sexta-feira, 21 de dezembro de 2007

Só... com você.

Então seca minhas lágrimas, me coloca nos seus braços, se devolva à mim! Tira de dentro a saudade que agride, a tristeza que me oferece o cigarro que não cabe mais.
Volta a dizer as suas implicâncias. Volta a falar. Ressucita. Não me deixe aqui tentando te encontrar. Morrendo.
Me leva com você, me busca aqui, no fim do que parecia vida. Me mata pra que eu possa saber como é estar com você.
Não me deixe assim...
Não me deixe aqui!
A morte foi minha. O fim foi meu. Não existe mais nada. Só me pára a dor porque eu não posso mais.
Não me deixe aqui sozinha, mãe.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Sua

Se a vida pudesse ser tão linear quanto são os nossos sonhos... se o tempo nos fizesse ser tão capazes de estabelecer as prioridades... se valer de alguma coisa o que mora dentro de mim posso respirar feliz e te criar o mundo. Você é a razão de todas as coisas. Eternamente meu. Eternamente sua.

terça-feira, 20 de novembro de 2007



"E eu dedico minhas rosas à ninguém porque não há ninguem que me ajude a ver uma razão que nós precisamos...”

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Sobre palavrear
















Palavras só pela arte de palavrear। Sem intenção alguma além de preencher uma noite que não tem amigos por perto। Mas mais que isso। Mais। O exercício da única paixão। Escrever foi o melhor jeito quando descobri que falar não implicava em ser ouvida.E quer saber? Um pedaço de papel ou uma caixa de texto me apetece.




Voltando pro mundo real.
Que é real pra mim e mais ninguém.
Aquele em que as miudezas me fazem boba!
O mundo da minha casa, da minha paixão, do meu filho que ainda virá, dos meus detalhes...
Lamento contrariar, mas... eu insisto em ser feliz!

Baci.



"Mas há uma outra razão que explica a elevada reputação das Matemáticas. É que elas levam às ciências naturais exatas uma certa proporção de segurança que, sem elas, essas ciências não poderiam obter."

Albert Einstein

Pra te falar...

E então eu voltei... e tudo então que eu pensei aconteceu. O canto que escolhi pra ser meu, parece que é mesmo!
Meus amigos estão por perto. Meus amores ficaram longe (e eu tento descobrir se me fazem alguma falta)...
Minha mãe me liga todos os dias e passa pela voz, às vezes um pouco chorosa, que amor igual ao dela ninguém nunca sentiu por mim. E eu me mantenho, com a voz de sempre, nunca tão explicitamente apaixonada como a dela, mas sempre dando as velhas broncas - "Mas eu já não disse que não é pra você jantar bolachas, mãe?" rs... E eu já consigo sorrir com saudade... saudade de filha... saudade que eu quis.
E então eu voltei... E vi todos os meus cantos de novo, todo o pequeno espaço que me faz sentir tão grande.
E se não pude orgulhar o cara, eu só posso sentir muito... Mas o que eu procurava era exatamente o que eu achei, e em momento algum pude pensar em você. Não deu tempo. Pensei por todos aqueles minutos em que não o fez por mim.
E agora sou eu quem não quer mais. Eu que não quero mais seu mais devoto amor. Já foi triste, mas hoje é com orgulho que encho a boca para dizer que rejeito tudo que possa querer me dedicar. Engula suas palavras, e misture-as ainda mais ao seu jeito triste de enxergar seu mundo, meu mundo.
E então estou aqui, sem esperar nada de quase ninguém. E é daqui que mando meus beijos aos grandes amigos, aos amores perdidos, à bonita mãe, ao cara...
Vivamos!

Brindemos!


E todas as relações tendem ao fim. E todas as tentativas tendem a se frustrar.
Não há mais o que esfumaçar, não há sentimento a sentir, não há sonho pra se embasbacar.
E não há amor para lutar, não há remédio para acordar, não há nada além de mim.
Porque acabaram as chances a serem dadas. Caíram as esperanças. Morreram os homens que me fizeram pensar. E não vou dizer tchau sem ter dado as boas-vindas.
Se não há o que esperar, não espere. Se não há com o que jogar, não jogue. Pobre assim. Pobre como é a verdade. Fria. Porque se for bonita, é só contar por quantas mentiras ela foi formada.
E não é a rima a rainha do texto. É a clareza. Tão sincera que não consegue fazer doer. E foi-se o tempo em que ela soube me tremer de medo. Hoje, eu só tremo se apagarem as luzes.
Porque é nobre a sinceridade. E não há mais nada que possa atrair.

Brindemos ao fim de tudo.

Hollow Years















"Ele é o tipo de homem
Que você ouve falar
Que deixa a família dele por
Um meio fácil
Eles nunca viram os sinais
Ele nunca disse uma palavra
Ele não pôde ocupar outro dia
(...)

Ela não é o tipo de menina
Que você ouve falar
Ela nunca quererá outro
Ela nunca estará sem
Ela lhe dará todos os sinais
Ela lhe contará tudo
Então se vire e vá embora"

Desapego (a)

O espelho de quem tem no sangue a arte de causar desilusão.

O vazio cuidadosamente aprendido com os poucos que me elevaram, aqueles mesmos que me esvaziaram...
O nada que formamos juntos.
O enlace que não é mais nada.

E muitos meses depois, passadas as madrugadas alucinógenas, alucinadas, alucinantes, desmentidos os velhos apegos e acabadas as manhãs remendadas, é tempo de mudar.
E assim vou fazer.
A mesma casa, alvo da paixão dos muitos meses passados, tornarei imaculada. A dona da casa está um pouco cansada...
Fechar a porta, fechar todas. Não te deixo mais entrar, aqui não entra, não entra, não entra mais!
Pela sua não passo, te passo, é passado que passou.
Com vocês não vou contar.
Pra você não confesso a noite passada, porque tudo é passado que passou e você sabe não te interessar.
Então abandonemos tudo.
E sempre, sempre...

Brindemos ao eterno recomeço!


Vivamos!!

Herda!

E ela não sabia das dores, não sabia das noites cênicas, nunca viu os olhares dele pra mim.
E ela não podia entender que eu me fiz essa quando ele se fez dela. Que ele era o mesmo.
Que ela choraria as mesmas malditas lágrimas.
E ele veio. Ele foi. Ele duvidou. Ele ficou. Sozinho.
E eu aprendi, aprendi, aprendi... quando ela se tornou o meu espelho, ele não quis mais.
Eles choraram.
E eu ri.
Eu peço licença. Irônica.
Estou indo. Eu volto pra quem me deixa ir.
Eu morro pra quem quer me ver ficar.
Eu falo tchau, eu falo com ele, eu tenho pena dela.
Eu já fui.



Vivamos!!

Como eu disse por aqui um dia e um amigo me relembrou esses tempos... você pode esquecer uma pessoa, deixar pra trás o que viveram e tudo mais, mas você nunca esquecerá o que ela te fez sentir. E agora eu continuo, meses depois... novas idéias, novas falas, mas a mesma menina...
Tão nova quanto tudo o que eu vejo acontecer por aqui. Tão cheia de sonhos quanto meus sonhos me ensinaram que deveria ser.
Eu tenho medo de uma só coisa. Eu tenho remorso de duas. Eu quero recuperar minha inocência que está se perdendo por esses encontros casuais. Eu quero manter você dentro de mim por mais que insita em ir embora. Eu quero te tirar de mim por mais que insista em ficar. Controverso assim. Complicado assim. Como eu. Quando choro por você, quando rio com você.
Triste até a última lágrima que deve ser chorada. Feliz até o fim do sorriso que quer ser sorrido.
Infeliz parte do tempo. Confusa. Sonhadora, fazendo virar realidade o que meu pai achou que era ilusão da menininha dele.
Com vontade de gritar até me livrar de toda dor que não sei porque está aqui, porque insiste em me acompanhar no caminho que eu quis viver. Que eu ainda quero. O meu caminho.
Sonhando todos os dias com o filho. Com aquele. Com esse. Preparando o mundo em que vou trazê-lo.
Vazia. Completa. Livre. Amarrada. Viva.

Vivamos!!

Orkut

No Orkut todo mundo é feliz pra caralho! Aaaah, que coisa linda! Todos são apaixonados pela vida! Quanta gente feliz!! Todo mundo ri das suas falhas, porque elas nunca machucam.
Ninguém fica triste por fazer merda, porque essa merda vira uma coisa tão moderna e engraçada que dá até gosto de ver! Dá até vontade de fazer também.

Aqui todo mundo é "fodão" e ninguém se deixa abalar! Aqui, boa parte já encontrou o amor da sua vida e podem posar lindos e em preto e branco para que o mundo tome ciência de tamanha felicidade (claro, colocar o nome do benzão no campo das paixões é obrigatório).

Aqui... aqui a "gente se fode mas se diverte!" Aqui "a sua inveja faz a minha fama". Aqui eu deixo o cara que eu amo e chamo o próximo, porque "a fila anda"!
Ninguém sofre... ninguém é fraco.

Nada como um fantástico mundo de Bob para disfarçar a raiva de ver o cara que você gosta com outra, da de acordar feia pra caralho e ir pro trabalho com aquela carinha de bosta que só algumas sabem fazer. Nada como ser o que somos as vezes, full time! Nas melhores fotos (as 12 das 156 que se salvaram), nas melhores frases (entre áspas, por favor!), nos melhores amigos (e seus depoimentos exagerados).

Que bom seria encontrá-los na rua, trabalhar com vocês, ir no bar com vocês... mas eu não sei onde estão...

Vivamos!